Além do próprio umbigo

ilustração clicia

Em um ano intenso, cheio de movimentos, de maneira geral, não foi possível o tempo e a pausa necessários para compreensão de tudo o que estava acontecendo. Grandes chances foram perdidas para dar os saltos e se apropriar de aprendizados sobre quem somos e nosso real propósito enquanto seres humanos.

Um olhar para o coletivo se fez preciso, porém, mais uma vez, a preocupação com selfies, maquiagem perfeita, e outras banalidades e fugas foram mais importante.

Há quem soube aproveitar e resignificar a vida; mas ainda há uma grande parte das pessoas que está perdida, procurando entender o que foi o vendaval 2016, que passou varrendo, limpando, fazendo mudanças devidas, e que ainda não chegou ao fim.

O individualismo impera, e diante de uma descrença pela humanidade, fui em busca de respostas pautadas na história e sociologia para aliviar o desconsolo e incompreensão da estupidez humana. Nesse resgate, foi possível entender a inversão de valores que vivemos. Ao olhar para Grécia Antiga e o conceito de esfera pública e política, pude constatar como esses conceitos se modificaram. Estou longe de apresentar verdades finitas ou incontestáveis. Porém, gosto de provocações e reflexões.

Há dois pensadores alemães, Arendt e Habermas, que auxiliam nesse entendimento sobre uma sociedade individualista, focada em interesses materiais, sem pensamento crítico a respeito de questões públicas e políticas. Bauman, sociólogo, também contribui e explica como chegamos a esse ponto: pessoas preocupadas com seu próprio umbigo, movidas pelo consumo e busca da satisfação no ter – busca incessante. Discursa também a respeito de uma sociedade que supervaloriza a exposição do íntimo, ou seja, tornar público o que deveria ficar na esfera íntima e vice-versa. É só se conectar ao uma rede social para entender o que Bauman explica como superexposição da intimidade.

As ideias desses pensadores, além de instigadoras e reflexivas, apontam para a necessidade de ação, chama para a responsabilidade que temos enquanto cidadãos. E o quanto somos influenciados por uma massa que parece caminhar desacordada, iludida.

Não acredito que pessoas juntas, sem um propósito, consigam algum resultado. Mas o engajamento dessas pessoas, trabalhando para um causa em comum, podem sim chegar a um desfecho positivo.

Mas, parece, que o que interessa está distante ainda de um objetivo em comum. Não há diálogo, não há parceria. O distanciamento e isolamento é cada vez maior. As ditas amizades se apresentam quando são convenientes. Sempre se espera algo em troca.

É uma visão bem pessimista, eu sei. Tem coisas boas acontecendo no mundo, não tenho dúvidas. Felizmente, também leio coisas a respeitos dessas boas ações e pessoas fazendo a diferença.

O mês de dezembro se aproxima, e sempre traz uma atmosfera mais positiva. Porém, seria estimulante ver as boas ações, a união entre as pessoas, as demonstrações de afeto, permanecerem ao entrar janeiro, fevereiro, março, e assim por diante; sem data para terminar. Só um pouquinho de mais cuidado com quem está perto, já faria grande diferença, uma espécie de corrente do bem. Vamos tentar?

avatar clicia

 

Clicia Helena Zimmermann – professora, consultora e especialista em mapeamento de ciclos

Sem Comentários

Sem Comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar esta notícia.

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *