Casal de Brusque é preso acusado de estuprar adolescente

Antônio Zager e Dirlei Adriana Vargas ainda teriam tentado estuprar outra menina

PResos (Copy) a

O casal Antônio Zager, 41 anos, e Dirlei Adriana Vargas, 23, foi preso acusado de estupro e tentativa de estupro contra duas adolescentes.

A prisão do homem ocorreu na manhã desta quinta-feira, 17, na Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (Dpcami), quando foi prestar novos esclarecimentos. Dirlei já havia sido presa na segunda-feira, 14, em Vidal Ramos, onde residia atualmente.

O delegado da Dpcami, Ricardo Marcelo Casarolli, foi quem instaurou o inquérito contra o casal, que já era conhecido no meio policial em virtude de outras situações. Inclusive, Dirlei havia denunciado uma falso estupro coletivo em julho, que teria ocorrido em seu local de trabalho. Porém, em setembro, ela confessou ter inventado o caso.

A polícia descobriu o novo crime cometido pelo casal após o registro de boletins de ocorrências, acusando os dois. O primeiro registro foi de uma adolescente de 17 anos que teria sido estuprada por Zager, em companhia de Dirlei. “Houve uma relação de proximidade entre a adolescente e o casal, uma confiança entre a família dela e do casal, e a adolescente acabou sendo estuprada numa noite”, informa o delegado.

Durante os depoimentos, Zager afirmou que mantinha relações sexuais com a adolescente, mas de forma consentida, pois os dois teriam se apaixonado e mantido um relacionamento de, aproximadamente, um mês. Dirlei também disse ao delegado que a relação era consentida pela menina.

Nesse meio tempo, outra adolescente relatou para a mãe uma tentativa de estupro cometida pelo mesmo casal, que em seguida, foi relatada para a polícia. “Essa outra adolescente, por sorte, conseguiu se desvencilhar das propostas de relações sexuais e não houve a consumação, apenas a aliciação”, diz Casarolli.

Além disso, o delegado ainda recebeu informações do Conselho Tutelar, de que em certa ocasião, o casal foi avistado no Centro do município tentando aliciar adolescentes na Praça da Cidadania. “O aliciamento acontecia de forma bem despretensiosa, sem violência ou coação, mas o mesmo casal parava na via pública e convidava as adolescentes para ter relações sexuais com eles”, conta.

Na época, a informação ficou obscura, mas somado aos relatos de estupro e tentativa, houve fortes indícios de que o casal fazia isso constantemente. A adolescente passou por um laudo pericial que apontou indicativos da prática sexual recente.

Com todas as comprovações, foi pedido o mandado de prisão preventiva no início de outubro, sendo deferido no fim da última semana. Dirlei foi presa pela Polícia Militar de Vidal Ramos e já se encontra no Presídio Regional de Rio do Sul. Zager foi encaminhado nesta tarde para a Unidade Prisional Avançada (UPA) de Brusque.

Outras vítimas

O delegado acredita que podem haver outras vítimas do casal que ainda não denunciaram o crime. Por isso, pede que se alguém se enquadre em uma situação como esta, deve procurar a Dpcami para relatar o caso. “Como eles eram aliciadores compulsivos, acredito que mais alguém possa ter sido convencido a essa prática”, analisa.

Casarolli ressalta que, devido a postura do casal, em sempre procurar novas vítimas, a Justiça entendeu por bem acolher ao pedido de prisão para tirar os dois de circulação e evitar novos casos. “Se aparecerem mais vítimas, teremos mais provas para oferecer à Justiça, e mais serena e sensata será a decisão final”.

Denunciação caluniosa

Além de responder por coautoria nos crimes de estupro e tentativa de estupro, Dirlei ainda responde a um inquérito policial por denunciação caluniosa, pelo relato de um falso estupro coletivo. A situação do estupro coletivo mobilizou a sociedade, espelhado em outros casos que aconteceram no âmbito nacional.

Porém, a história foi sempre muito questionável para a polícia, pois teriam indicativos que, pelo menos, não teria acontecido daquela forma relatada por ela. “Fomos manipulados pela Dirlei que ao final confessou que inventou a história sem explicar o porquê fez isso. Até hoje não sabemos o que a levou a fazer isso”, diz o delegado.

O processo continua em andamento no Fórum, até pelo fato dela ter acusado colegas de trabalho de terem cometido o crime contra ela.

Além desses casos, há outros boletins de ocorrência que envolvem a violência doméstica entre o casal, e um roubo praticado por Zager contra Dirlei. Porém, todas essas outras situações ainda são bastante questionáveis.

Sem Comentários

Sem Comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar esta notícia.

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *