Cerca de 70 mil pessoas já passaram pela Fenarreco

Previsão dos organizadores é de que o número dobre até o término da festa

Fena 1
Pavilhão ficou lotado durante o feriado de Nossa Senhora Aparecida -
Crédito: Miriany Farias

Ao fim do sétimo dia de festa, a organização da 31ª Festa Nacional do Marreco, a Fenarreco, já havia contabilizado uma média de 70 mil pessoas no evento. Na quarta-feira, 12, feriado de Nossa Senhora Aparecida, o pavilhão Maria Celina Vidotto Imhof ficou lotado de festeiros, em especial, turistas que vieram prestigiar a festa típica alemã. A previsão da organização é de que até o fim da festa, no domingo, 16, o número dobre e bata recorde com 140 mil pessoas.

A professora Naiara Dall Olmo, 28 anos, de Gaspar, esteve em Brusque com o companheiro, o comerciante Jean Leite, 38, de Blumenau. Para o casal, a escolha pela Fenarreco ao invés da Oktoberfest se deu pelo ambiente mais calmo e familiar. “Queríamos um dia para aproveitar tudo que a festa proporciona e em Brusque é possível”, afirma Naiara.

Leite afirma que o trânsito mais tranquilo de Brusque em comparação com Blumenau é outro atrativo. “No geral, a festa está boa em tudo. Na bebida e, ainda mais na gastronomia típica. Quem ainda não veio, deve participar”, garante.

O professor de Itapema, Valdir Roque Dallabrida, 65, aproveitou o feriado para visitar o sobrinho brusquense e prestigiar a festa, junto a alguns amigos de Itajaí. “Já conhecia a cidade, mas não a festa e estou impressionado”, afirma. Para ele, o que mais chamou a atenção foi a valorização do artesanato local, comercializado no evento. “Com certeza, quem ganha com isso é o próprio município”, diz. O lado negativo da Fenarreco, na opinião de Dallabrida e seus amigos, é a falta de mais lixeiras espalhadas por dentro do pavilhão principal.

O casal de Florianópolis, Nilzon José Pacheco, 66, e Enite Maria De Souza Pacheco, 64, optaram pelo feriado para reunir a família na festa de Brusque. “Chegamos de manhã e ficaremos até a noite. Já conhecíamos a festa e viemos prestigiar essa tradição, que é muito diferenciada e bonita”, diz Nilson.

Dia diferente

Trajado a carater, o casal brusquense Hedi Nanci Barg, 69, e Valdo Paoli, 79, curtiu cada momento da Fenarreco. Aos olhos de quem conhece a festa desde a época em que acontecia no Clube de Caça e Tiro Araújo Brusque, o evento tem melhorado cada vez mais. “Viemos no sábado, hoje de novo (ontem) e a vontade é vir todos os dias, e claro, sem deixar de se vestir como manda a tradição”, diz Hedi.

Hedi Nanci Barg, 69, e Valdo Paoli, 79, prestigiam a Fenarreco desde a época em que acontecia no Clube de Caça e Tiro Araújo Brusque / Foto: Miriany Farias

Hedi Nanci Barg, 69, e Valdo Paoli, 79, prestigiam a Fenarreco desde a época em que acontecia no Clube de Caça e Tiro Araújo Brusque / Foto: Miriany Farias

Apesar de já não conseguirem acompanhar tanto as danças, o casal busca aproveitar a festa de outras maneiras, como saboreando o marreco recheado e uma boa conversa entre amigos. “Não existe coisa melhor, poder sair daquela vida monótona, de casa, para se divertir, ver gente nova. O jovem traz tanta beleza, as crianças têm uma alegria contagiante, que a gente até esquece que somos idosos”, emociona-se Hedi.

Além das tradicionais famílias, ontem o pavilhão também tinha muita movimentação dos jovens, que fizeram do feriado um dia de festa. O estudante Bruno Fernandes Feitosa, 17 anos, reuniu mais três amigos para participar do evento. “Gosto bastante, já viemos outros dias também e a intenção é vir mais alguns ainda até o fim da Fenarreco”, diz.

Turistas em massa

O diretor da Secretaria de Turismo, Ademir Moraes, afirma que a organização da Fenarreco está extremamente satisfeita com os resultados até o momento. O feriado de ontem superou, em público, o domingo, 9, especialmente no almoço. “No domingo e hoje (ontem) tivemos que ajudar a recolher pratos das mesas, porque era muita gente no buffet”.

Foto: Miriany Farias

Foto: Miriany Farias

Segundo Moraes, grande parte do público da 31ª edição da Fenarreco é de turistas de todo o Brasil, como Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Sul e Paraná. “Era isso que buscávamos, e o resultado está aí”, comemora.

Ele acrescenta que a divulgação da festa é focada na gastronomia típica alemã, que está consolidada. “As pessoas vêm a Brusque não somente por causa do chope ou da música, mas vêm para saborear o marreco com o repolho roxo. Por isso, podemos não ser a maior festa típica alemã de Santa Catarina, mas com certeza, somos a maior na gastronomia”, afirma.

Horário prorrogado

A véspera de feriado teve sucesso de público também durante a noite. Por conta disso, a programação da festa, que avisava aos foliões que se encerraria às 2 horas, precisou ser estendida. “A maior tristeza é ter que acabar uma festa por falta de público. E nós estando tendo a alegria de ter que prorrogar os horários”, diz Moraes.

Segundo o diretor, a organização precisou conversar com as bandas para ficarem mais algumas horas no palco, para atender aos pedidos do público. “Está sendo difícil conseguirmos fechar os portões. Sinceramente, em todos esses anos de Fenarreco, eu nunca tinha visto isso. Temos muito o que melhorar ainda, mas com certeza estamos no caminho certo”, diz.


Programação desta quinta-feira, 13

Pavilhão principal
22h - Banda Portal do Som
00h - Concurso de Chopp em Metro
2h - Encerramento

Pavilhão cultural
18h - Brusband
21h15 - Competições e Entretenimento
21h45 - Banda Verde Vale
1h - Encerramento

Restaurante
11h30 - Lustigen Musikanten
18h - Cleide e Jonas
21h - Sandro e Wilson
00h - Encerramento

1 Comentário

  1. Avatar
    nayara dall olmo outubro 14, 2016

    Olá.
    Participei da reportagem sobre a festa, mas minha foto não apareceu. Porque?
    Obrigada

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *