Clínica Uni Duni Tê comemora 25 anos de fundação

Mantida pela Apae de Brusque, unidade realiza gratuitamente testes do Pezinho e da Orelhinha

bolo
Um bolo para comemorar a doce história da Clínica Uni Duni Tê, que há 25 anos auxilia as famílias de Brusque e da região no desenvolvimento de seus filhos -
Crédito: Guédria Motta

Na sexta-feira, 7, a Clínica Uni Duni Tê, mantida pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Brusque, comemorou com bolo seus 25 anos de fundação. Além de pioneiro, também é inédito em Santa Catarina o serviço de estimulação essencial e de acompanhamento da primeira infância para crianças de zero a cinco anos.

Hoje, a unidade recebe recém-nascidos de Brusque, Guabiruba e Botuverá. Mais de 2,6 mil crianças são atendidas por ano e, 120 delas, com algum atraso de desenvolvimento, mantêm terapias no local duas vezes por semana. Tudo de forma gratuita.

O projeto piloto iniciou em 1987, quando um grupo de profissionais da instituição lançou um desafio: ainda que a Apae recebesse alunos com deficiências, parte do trabalho deveria manter o foco na prevenção e na descoberta precoce da deficiência intelectual. A intenção era, com a intervenção apropriada, minimizar o atraso do desenvolvimento neuropsicomotor.

“Nosso sonho era que a Clínica Uni Duni Tê fosse fundada para fechar o Instituto Santa Inês (Apae de Brusque). Hoje, 25 anos depois, nós ainda sonhamos alto. Acreditamos que as crianças na estimulação essencial talvez não precisem desse acompanhamento depois dos cinco anos, porque conseguiram se desenvolver. Claro, é uma utopia. Mas temos a certeza de que o número de novos alunos da Apae diminuiu”, afirma o vice-presidente da Apae, Márcio Belli.

De forma voluntária, Belli acompanhou o início dos trabalhos da Clínica Uni Duni Tê, quando Brusque foi dividida em quatro regiões mais populosas e a intervenção começou no bairro Guarani, com apoio da prefeitura, Associação de Moradores e da Igreja.

Teste do Pezinho e da orelhinha

A clínica iniciou seus trabalhos em setembro de 1991, no centro de Brusque. No mês seguinte, por convênio firmado com a secretaria municipal de Saúde e com o governo do estado, passou a oferecer gratuitamente o Teste do Pezinho, ainda pouco procurado naquela ocasião.

Apesar do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) ter como data de início do teste do pezinho o ano de fundação 1992, a Uni Duni Tê mantém registros de exames feitos pelo laboratório no final do ano anterior.

Em 2002 a Clínica Uni Duni Tê mais uma vez fez história e saiu na frente, com a doação do aparelho de emissões otoacústicas por distorção, o que havia de mais moderno na época para algo que começava a se consolidar como “Teste da Orelhinha”. O equipamento foi doação do Rotary Internacional. Apenas em junho do ano seguinte foi sancionada a lei municipal que estabeleceu como obrigatoriedade a realização da triagem auditiva neonatal.

Para se ter ideia do quanto Brusque estava à frente do seu tempo, a mesma lei só foi sancionada em 2010 no Brasil, oito anos depois.

Sem Comentários

Sem Comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar esta notícia.

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *