Corrupção, um caso histórico: tem jeito?

100_0261

No último dia 10, em evento que marcou os 82 anos de fundação da ACIBr – Associação Empresarial de Brusque, o jornalista Paulo Alceu, do Grupo RIC de Santa Catarina proferiu interessante palestra que abordou as expectativas para Santa Catarina no cenário econômico e político do Brasil. E, quando se aborda economia e política, o tema corrupção está presente. Enquanto escutava o palestrante, lembrei-me da tese de doutorado sobre corrupção defendida em 1997 por Raulino Jacó Brüning, Desembargador do Tribunal de Justiça de SC. Passados quase 20 anos, o tema continua atual, estampando manchetes e compondo discursos, principalmente em período eleitoral.

Em sua tese, Brüning discorre sobre a corrupção e as possíveis providências para sua erradicação. Mergulhou na história para desvendar a corrupção desde a Antiguidade, restabelecendo o conceito de ontem em confronto com o de hoje, focalizando-a sob os aspectos éticos, político e jurídico, permeando também pelas condições culturais, econômicas e sociais e concluiu que as causas originais da corrupção (e de outras mazelas sociais) estão se acumulando com causas culturais, isto é, com os costumes, crenças, moral e hábitos egoístas das pessoas do grupo social. Concluiu ainda que os governantes também se aproveitam desta cultura para se beneficiar à custa dos governados.

Ao sugerir medidas políticas nas áreas da educação, da economia, do direito, da organização do Estado, do combate à corrupção, etc., também é necessário indicar medidas que eliminem as causas impeditivas da tomada das decisões políticas. E, para Brüning, as causas que inviabilizam à vontade política de combater a corrupção, tomar transparente a máquina pública, descentralizar o poder, etc., estão relacionadas com o alijamento da sociedade civil no processo político e sem a participação da sociedade a corrupção não será controlada. A corrupção, como muitas outras espécies de crime, quase nunca tem uma vítima imediata com interesse em denunciá-la. E se a corrupção existe na esfera pública, também está presente no âmbito privado, indo desde as pequenas fraudes diárias no comércio, na indústria e na prestação de serviços até os escandalosos crimes de colarinho branco, sendo que os que participam dela têm interesse conjunto em mantê-la secreta.

Para agravar, no Brasil a sociedade pouco ou nada participa das decisões políticas; quem toma as decisões são os políticos que, no fundo, defendem seus próprios interesses que, eventual e acidentalmente, podem até coincidir com os interesses do povo. Entre nós existe muita apatia em relação ao fenômeno da corrupção. Os partidos políticos, os empresários, os sindicatos, a classe política, etc., todos têm interesses próprios e lutam tenazmente por defendê-los com espírito de corpo, colocando em plano secundário os interesses dos demais. Ignorar esta realidade é desprezar um conhecimento elementar em política. Em resumo, trata-se de uma questão altamente complexa e de difícil solução. Se assim não fosse, a corrupção já estaria controlada.

Apesar de corrupção ser um caso histórico, será que tem jeito? Para responder, faço das palavras de Elie Wiesel, escritor judeu sobrevivente dos campos de concentração nazistas, minhas palavras:

“Mas, onde eu deveria começar?

O mundo é tão vasto, começarei com o meu país, que é o que eu conheço melhor.

Meu país, porém, é tão grande. Seria melhor começar com minha cidade.

Mas minha cidade também é grande. Seria melhor eu começar com a minha rua.

Não: minha casa.

Não: minha família.

Não importa.

Começarei comigo mesmo!

3582525126

1 Comentário

  1. Avatar
    Louis outubro 19, 2016

    JEITINHO BRASILEIRO:

    Os primeiros registros de práticas de ilegalidade no Brasil podem ser encontrados no século XVI, período da colonização portuguesa.
    Funcionários Públicos, ora encarregados de fiscalizar o contrabando e outras transgressões contra a coroa portuguesa tinham por hábito frequente praticar o comércio ilegal de produtos brasileiros.

    JEITINHO BRASILEIRO justificava, como ainda tenta LEGITIMAR, tudo o que era e é desonesto e corrupto na relação Estado Sociedade, criando uma relação promíscua de tolerância aos pequenos desvios de caráter.
    É fato que os primeiros a serem corrompidos nesse país foram os indígenas, através dos portugueses que os subornavam para conseguir tesouros brasileiros, além de os escravizarem e os roubarem descaradamente;

    Em pleno 2016, passados mais de 500 anos do descobrimento desta NAÇÃO, ainda somos roubados e “escravizados” descaradamente, feito os primitivos indígenas (acho que a única diferença é que somos “índios” com “roupas”), continuando a CORRUPÇÃO uma prática peculiar, quase que banal, visto que a própria legislação em suas famosas “BRECHAS” favorece esse “VÍCIO”, ou por que não dizer essa FALTA de CARÁTER.

    Tudo faz parte de um JOGO POLÍTICO, desenhado pelos que querem perpetuar NO PODER não se importando a qual custo.

    Passou da hora de cortar as cordas dos TITEREIROS.

    #Parabéns pela matéria.

    Atenciosamente:

    Louis Frener – Leitor

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *