Debate decisivo em Brusque é marcado pelo tom ameno e discussão de propostas

Apesar da divulgação da pesquisa eleitoral e da proximidade com o pleito, candidatos contiveram a ansiedade

debate materia copiar (Copy)
Debate foi realizado no Centro Empresarial, Social e Cultural de Brusque -
Crédito: Ideia Comunicação/Divulgação

Os candidatos a prefeito de Brusque participaram do debate organizado pela Associação Empresarial de Brusque (Acibr) em parceria com o Município Dia a Dia e a TV Brusque. O encontro teve caráter decisivo, pois falta uma semana para o pleito. O formato incluiu perguntas de entidades, jornalistas e o tradicional tête-à-tête entre os candidatos.


Mobilidade urbana

O debate foi mediado pelo jornalista Silvio Loddi. No primeiro bloco, foram feitas perguntas envidas por entidades para um candidato e outro comentou a resposta do adversário. Jones Bosio (DEM) foi o primeiro a responder, sobre mobilidade urbana.

“Trabalhamos por dois anos com alunos da Unifebe/Assevim, e dividimos por 12 setores, que os ônibus partam do terminal e voltem. Desta forma, um ônibus passará pelo seu bairro a cada duas horas. Demos o nome de “leva rápido” para esse projeto”, afirmou. O candidato disse que também é importante fazer as duas avenidas Beira Rio.

Odirlei Dell’Agnolo, o Bah (SD), comentou a resposta de Jones, mas aproveitou para falar da sua proposta para a área. “O nosso projeto inclui ciclovias e discussão com um corpo técnico que entende”. Ele afirmou que é preciso rediscutir o transporte público


Redução de gastos

Quando perguntado sobre o que pretende fazer para reduzir os gastos na prefeitura, Bah respondeu que é preciso valorizar o servidor público. “Não há outro caminho a não ser reduzir os cargos comissionados”, disse o candidato do Solidariedade. Ele afirmou que o plano de governo dele é o único que contempla o corte de comissionados, a redução seria de R$ 1 milhão ao mês.

Chico Cordeiro (PSOL) fez o comentário. “Entendemos que não é só enxugando a máquina pública que teremos boa qualidade no serviço público. Temos que gastar com inteligência e também enxugar, principalmente com cargos comissionados. Hoje, a prefeitura é um balcão de negócios”, afirmou.


Moradores de rua

O candidato Jadir Pedrini (PROS) foi perguntado sobre a situação de moradores de rua no município. Ele afirmou que o problema merece atenção e que pretende fazer parceria com ações sociais, para direcionar os mendigos. Dr. Jonas Paegle (PSB) fez o comentário e disse que o problema afeta o comércio, pois os clientes ficam amedrontados, às vezes, ao passar por essas pessoas.


Transparência

O candidato Dr. Jonas foi quem respondeu sobre transparência na administração pública. “Temos visto que certos governos não tem transparência adequada, isso tem causado um desnivelamento econômico”.

Gustavo Halfpap (PT) fez o comentário, fazendo alusão a Ciro Roza. “O candidato Jonas deve estar desconhecendo o seu padrinho. O nosso governo, do Paulo Eccel, trouxe o portal da transparência e fez reuniões com associações”.


Saneamento e água

Halfpap foi perguntado sobre o saneamento básico e o abastecimento de água. O petista lembrou que a gestão de Paulo Eccel tinha o projeto para uma nova estação de tratamento, mas que não foi para frente com a interrupção do governo.

“Vamos dar início a essa obra complexa e cara”, afirmou o candidato sobre o saneamento. Além disso, ele afirmou que é preciso fazer um reservatório na Cristalina, com capacidade 5 milhões de litros de água, e um outro no bairro Águas Claras, para garantir o abastecimento.

No comentário, Jones Bosio disse que o saneamento deve ser prioridade seja quem for o próximo prefeito. “Se o próximo prefeito não tomar a iniciativa, o Ministério Público vai mandar tomar a iniciativa”.


Segundo bloco teve questões de jornalistas

No segundo bloco, os candidatos receberam uma pergunta feita por jornalistas. O primeiro a responder foi Gustavo Halfpap – sobre a participação popular no governo do PT, tendo em vista que, na época de Paulo Eccel, a prefeitura implantou a Casa de Passagem, e tentou impor os radares, mesmo com oposição popular.

“No radar, não houve iniciativa [da prefeitura], sondou-se a possibilidade, mas houve uma reação da sociedade com um empresário local que financiou os adesivos”, disse. “A Casa de Passagem, identificamos como uma necessidade, que foi trazida até pelas igrejas”.

Dr. Jonas foi perguntado sobre o seu vínculo com Ciro Roza, sendo que este tem condenações judiciais. “Não tenho nenhum vínculo, cada um toma conta de si. Quem vai ter a caneta vai ser eu, o modo de administrar vai ser meu”.

Já Jadir Pedrini foi questionado sobre como será a relação com Roberto Prudêncio Neto (PSD), o vice-prefeito que já foi prefeito e tem mais experiência política. A pergunta foi se não seria ele quem “daria as cartas no governo”.

“Eu que vou fazer esta administração, mas vou aprender com quem já administrou, um pouquinho ou muito, vou aprender com o meu vice, que já esteve no poder”, disse Pedrini.

O atual prefeito, José Luiz Cunha, o Bóca (PP), foi perguntado sobre a postura da sua candidatura, que na última semana tentou barrar a publicação da pesquisa encomendada pelo Município Dia a Dia. “Foi uma orientação da nossa assessoria jurídica”.

O candidato argumentou que a pesquisa foi publicada oito dias depois de feita. No entanto, a Justiça já julgou e decidiu a favor da legalidade do levantamento, que seguiu à risca todas as normas eleitorais, inclusive o prazo de publicação.

Para Chico Cordeiro (PSOL), o questionamento foi sobre a viabilidade dos projetos apresentados por ele, levando em conta os gastos. “Para dar a resposta para problemas complexos, é preciso ousar”, disse.

Bah teve de responder sobre qual será o limite entre a participação popular e as decisões da prefeitura, se eleito. O candidato prega ouvir a comunidade em todas as áreas. “Queremos valorizar o trabalho comunitário, entendemos que a política é sustentada de baixo para cima”, respondeu.

O último a responder no segundo bloco foi Jones Bosio. Ele foi questionado sobre o seu plano de governo, no qual constam ações e projetos que não existem em Brusque como se já estivessem implantadas.

Ele afirmou que projetos como o teatro municipal, o Museu da Imagem e Som e outros servem para a realidade municipal.


Candidatos cara a cara

Os candidatos tiveram um momento frente a frente. Eles puderam perguntar um ao outro, primeiramente, com tema definido pela organização, depois, livremente.


Bóca Cunha x Jones Bosio

Bóca Cunha perguntou a Jones Bosio sobre a geração de empregos. O democrata respondeu que não está fechado a novos negócios. “Diferente do que colocou nos seus jornais, de que eu não quero trazer novas empresas para a cidade, o senhor editou a nossa fala”, respondeu a Bóca Cunha, o qual negou ter mentido e reafirmou que está tudo gravado.


Bosio x Dr. Jonas

Bosio perguntou para Dr. Jonas o que ele pretende fazer para melhorar o trânsito, além das duas Beira Rio. “Vamos fazer a ponte do Centro, é uma ideia nossa”, disse. Segundo Dr. Jonas, é preciso investir em novas pontes, para que as pessoas possam ir de um lado ao outro.

Bosio argumentou que os governos federal e estadual estão falidos, e que é preciso R$ 15 milhões para a construção de três pontes na cidade. Ele propôs a implantação do leva rápido, uma linha de ônibus circular que passaria a cada duas horas nos bairros indo ao Centro.


Dr. Jonas x Jadir Pedrini

O candidato do PSB perguntou a Pedrini sobre as propostas para a saúde. Ele respondeu que, se eleito, abrirá a policlínica do Santa Terezinha e aumentará o apoio e compra de serviços no Hospital Azambuja.

Dr. Jonas disse que a saúde no município é muito burocrática e tem excesso de funcionários. Ele defendeu a reestruturação da área, para garantir mais atendimentos.


Jadir Pedrini x Gustavo Halfpap

Pedrini perguntou a Halfpap o que ele pretende fazer sobre a crise financeira. “Não tenho ponto de vista que tem que cortar secretarias e cortar radicalmente os cargos, acho que temos que gastar com responsabilidade”, respondeu o petista.


Gustavo Halfpap x Bah

O petista questionou o candidato do SD sobre a segurança pública. Bah disse que é preciso usar a inteligência social e a tecnologia para trabalhar melhor a segurança pública. “Devemos criar um mapa, que a própria população vai abastecendo”. Halfpap reafirmou que a responsabilidade pela segurança é do estado e que é preciso cobrar dele mais efetivo e mais apoio.


Bah x Chico Cordeiro

Bah quis saber de Cordeiro o que ele propõe para a habitação. O candidato do PSOL disse que é necessário fazer um plano municipal habitacional, pois Brusque tem déficit de 7 mil casas. O adversário concordou que o tema é importante e merece atenção e discussão.


Chico Cordeiro x Bóca Cunha

Questionado sobre educação e vagas em creche, Bóca Cunha disse que é preciso não só construir unidades, mas também mantê-las. “Nos quatro anos [de mandato], queremos que tenha creche para todas as crianças da cidade de Brusque”, afirmou.

Cordeiro adotou a linha do ensino, e afirmou que é preciso mudar a forma de ensinar os alunos, integrando a tecnologia e novas formas de ensinamento.


Tema livre


Jones Bosio x Jadir Pedrini

Bosio perguntou sobre a infraestrutura no município. “Existem obras licitadas em Brusque, mais de R$ 40 milhões, que não foram iniciadas”, disse, e completou: “se ganharmos a eleição, em janeiro, vamos colocar estas obras em ação”. Pedrini afirmou que o plano contém uma série de pavimentações e drenagens em Brusque.


Jadir Pedrini x Bah

O candidato do PROS perguntou a Bah sobre o saneamento básico, e ele respondeu que “a próxima gestão tem que ter política de estado, não de governo”. Disse, ainda, que é preciso discutir com a sociedade sobre o melhor modelo para o saneamento. Pedrini foi direto ao ponto. “No nosso governo, vamos fazer uma parceria público-privada”.


Bah x Bóca Cunha

Bah questionou o atual prefeito sobre o que fazer para acabar com os furos de fila na saúde, o “jeitinho brasileiro”. “Em 90 dias na prefeitura, tenho certeza que não ocorreu nada disso aí na prefeitura”, respondeu Bóca.

Bah apresentou a sua proposta chamada Cidadão Digital, que consiste na marcação de consultas e exames por meio de um aplicativo, e uma fila pública para os procedimentos que poderá ser vista online.


Bóca Cunha x Dr. Jonas

O atual prefeito indagou Dr. Jonas sobre a regularização fundiária, o qual reconheceu a sua importância, mas não ofereceu mais detalhes. “Hoje tem mais de 4 mil famílias sem escritura do apartamento. Em parceria com o tabelionato e a Secretaria do Bem-Estar, vamos regularizar essas situações”, disse Bóca, na réplica.


Dr. Jonas x Gustavo Halfpap

Questionado sobre as filas em creche, Halfpap resgatou a gestão de Paulo Eccel. “Em 2008, havia 2 mil vagas e entregamos com 5 mil”. Com base nisso, ele disse que a chapa sabe como fazer para melhorar o setor. Dr. Jonas falou que é importante investir nas creches, pois “há um déficit de 2 mil crianças”.


Gustavo Halfpap x Chico Cordeiro

Halfpap perguntou ao candidato do PSOL o que ele pensa para a sustentabilidade. “Sugerimos, no nosso plano de governo, o fortalecimento do conselho da cidade, para discutir qualquer intervenção”, respondeu.

O petista ressaltou ações da gestão de Paulo Eccel e afirmou que é necessário planejar a cidade, para que não haja consequências negativas no futuro.


Chico Cordeiro x Jones Bosio

Cordeiro perguntou se, em vez de uma clínica veterinária, não seria melhor construir um centro de zoonoses completo. Bosio respondeu que a clínica vai focar na castração de fêmeas, o que diminuirá a população de cães de rua. Ele disse, ainda, que a clínica também se reflete na saúde pública, pois os animais podem transmitir doenças.

Já Cordeiro argumentou que só a clínica não resolve o problema e que é necessária uma estrutura maior, para cuidar desde o acolhimento até o tratamento dos animais.

 

1 Comentário

  1. Avatar
    Jandira Tormena setembro 26, 2016

    Vamos resumir o debate, pra quem não viu:

    01. Gustavo: Sem dúvida o candidato com o maior conhecimento e preparo. Foi o mais claro nas respostas, o que apresentou idéias pontuais e possíveis soluções.

    02. Boca Cunha: Tem a seu favor o conhecimento da situação da cidade hoje e é um político de longa estrada. Outro ponto positivo é seu vice, uma pessoa de reputação honesta e organizada. Sem dúvida a cidade teria um choque de gestão. Perdeu um pouco no debate por dar soluções bem genéricas pros problemas.

    03. Jones Bósio: Bom de microfone, mas visivelmente nervoso e deu soluções genéricas. Realmente disse em entrevista que não iria trazer empresas de fora pra Brusque e se enrolou pra explicar isso. Perdeu pontos.

    04. Bah: Bah já foi mais combativo, já foi mais crítico, também deu soluções genéricas e mostrou não estar totalmente por dentro do que acontece na prefeitura. Precisa ter mais anos de política. Pode vir a ser um bom candidato no futuro, mas não agora.

    05. Chico: Candidato inteligente, mas seria uma boa opção pra vereador. Pra prefeito demonstrou não ter conhecimento e nem propostas pra muitas áreas.

    06. Jadir Pedrini: A pergunta que todos se faziam: o que ele estava fazendo lá ? Totalmente perdido, gaguejando (além do pior português de todos), sem propostas concretas. Parecia estar só fazendo número pra favorecer outro candidato…..

    07. Jonas Paegle: Péssimo no microfone, péssimo no português, mas pior ainda nas propostas. Fugiu de várias perguntas, não mostrou soluções, mostrou desconhecimento dos avanços na área da saúde em Brusque nos últimos anos. Claramente está ali de marionete do corrupto Ciro Roza. Ficou claro que não vai mandar na prefeitura, caso eleito.

    Resumo do resumo: Gustavo ou Boca Cunha

    O resto é perda de tempo

    E Jonas é colocar uma quadrilha de volta na prefeitura.

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *