Empresa carioca criará 200 empregos ao se instalar na Buettner

Ex-funcionários da fábrica brusquense terão preferência na contratação

buettner (Copy)
Massa falida quer formar um condomínio na Buettner -
Crédito: Marcos Borges/Arquivo Município

A empresa do Rio de Janeiro que se instalará no prédio da empresa Buettner, no bairro Bateas, pretende gerar entre 150 e 200 empregos. A Mudei para Melhor Comércio de Roupas produzirá peças de cama, mesa e banho, inicialmente, para a Bouton, que já opera em Brusque.

A companhia carioca recebeu aval da Justiça de Brusque para alugar uma parte do prédio da Buettner, que faliu no início do ano e está desativada. A juíza Clarice Ana Lanzarini autorizou a locação no último dia 14, a pedido do advogado Gilson Sgrott, administrador da massa falida.

Sérgio Lombardi, sócio da Bouton, explica que a Mudei para Melhor terá o apoio da empresa. O valor do aluguel não foi divulgado. As duas companhias são relacionadas, pois um dos sócios da Bouton é dono de uma marca chamada First Class. A Mudei para Melhor é uma franqueada da First no Rio de Janeiro.

Segundo Lombardi, inicialmente, a produção mensal da empresa carioca será de cerca de 100 toneladas ao mês. “Isso deve demandar de 150 a 200 funcionários”, explica. A ideia é que os ex-funcionários da Buettner tenham preferência na hora da contratação.

“Nós vamos auxiliá-los na contratação, o objetivo é contratar pessoas com experiência. O ideal é quem já trabalhou lá”, diz o sócio da Bouton. O objetivo da equipe da Bouton e da Mudei para Melhor é verificar quais funcionários da Buettner que ainda estão desempregados e, na medida do possível, contratá-los, quando necessário.

Nesta fase inicial, a produção da Mudei para Melhor será quase que exclusivamente para Bouton e First Class. O fato de a companhia já estar em Brusque foi determinante na escolha do município para a primeira fábrica da empresa carioca.

Segundo Lombardi, a Bouton tem um centro logístico em Brusque, por isso, fica mais fácil e barato o transporte do que for produzido e distribuído.

Objetivo é crescer

De acordo com a decisão da juíza Clarice, o contrato de locação terá duração de 18 meses. Neste período, a massa falida fará o levantamento dos bens, dívidas e imóveis, a fim de vender o que é possível para pagar os débitos.

Lombardi diz que a insegurança de não saber se a empresa poderá ficar por mais do que os 18 meses não é o cenário ideal, porém, a situação jurídica ainda engatinha e não há como saber o que pode acontecer.

O executivo afirma que não há como adiantar se a Mudei para Melhor poderá comprar ou não o imóvel da Buettner num futuro leilão. Lombardi diz que intenção é ficar em Brusque e crescer. Inclusive, quando a produção for maior, a ideia é que o volume produzido seja comercializado para outros clientes.

O nome da empresa locatária, Mudei para Melhor, poderá ser modificado no futuro, segundo Lombardi. Hoje, ela está registrada como negócio de comércio, mas passará para a categoria indústria, e com isso estuda-se uma mudança no nome.

Vantagem para os dois lados

Sérgio Lombardi e Claudemir Eduardo, sócios da Bouton, são ex-funcionários da Buettner. Saíram em 2009 para formar a sua própria fábrica.

“O mais importante é reavivarmos a indústria, mesmo que não do tamanho que ela era, para qua Buettner possa indenizar os ex-funcionários”. Ainda não há uma data definida para a instalação da empresa, e nem como será o processo de seleção de funcionários.


Ideia é criar um condomínio na Buettner

A autorização da juíza Clarice para a locação impõe a condição de que a empresa inquilina pague o aluguel e os custos proporcionais com energia elétrica, manutenção e vigilância. O advogado Gilson Sgrott, administrador da massa falida, diz que a locação é vantajosa.

Sgrott ressalta que, com uma empresa funcionando no parque fabril, os custos com manutenção são reduzidos e o maquinário fica em funcionamento. Com isso, a desvalorização é menor.

Ele explica que a Mudei para Melhor funcionará numa parte da tecelagem e do setor de acabamento. Já existe a Schlösser noutra parte da tecelagem, e a intenção é locar a fiação e a tinturaria para outras empresas.

“Vamos criar um condomínio”, diz Sgrott. Cada operação é feita com autorização da Justiça. O dinheiro do aluguel é administrado pela massa falida e será repassado aos trabalhadores e outros credores após a fase de arrecadação.

2 Comentários

  1. Avatar
    Forca SIndical setembro 24, 2016

    As empresas TEXTIL daqui quebrando, o jeito é trazer de fora. Esse país vai virar a Venezuela já, já.
    Deveriam ter expulsado os sindicato junto com a DILMA; agora a CELESC, além dos bancos vai parar.
    que se agilizem para ligar a energia nessa indústria, logo, logo.

  2. Avatar
    Marcos Paulo klock setembro 26, 2016

    Mas com tanta gente desempregada,nao acho justo contratar pessoas somente com experiencia

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *