Fragmentos de insetos em alimentos, afinal, são permitidos?

ilustração ariane

A resolução da Anvisa de 31 de março de 2014 dispõe sobre a quantidade máxima tolerável de matérias estranhas macroscópicas e microscópicas em alimentos e bebidas. Essa resolução, até agora pouco divulgada, está sendo discutida após a mídia ter noticiado pelos de roedores em lotes de extrato de tomate.

Cinco marcas foram punidas com base em laudos que detectaram matéria estranha indicativa de risco à saúde humana – pelo de roedor – acima do limite máximo de tolerância pela legislação vigente.

Então, se você já ouviu falar que no molho de tomate tem pelo de rato ou que na bolacha recheada pode contem pedaços de barata, pasmem, a vigilância sanitária permite quantidades significativas de matérias estranhas em produtos industrializados. Porém, neste caso, os limites estavam acima. Entre os fragmentos de insetos permitidos pela legislação entram: insetos, roedores, outros animais (morcegos, pombos, excremento de animais, parasitas, e até objetos rígidos).

Colocando na prática: caso você resolva comer 200g de molho de tomate, com 300g de macarrão, totalizará um consumo de 320 fragmentos de insetos com 2 pelos de rato. E se você resolver tomar em seguida um chá de camomila, você estará consumindo em 25 gramas de chá, 90 fragmentos de insetos e 5 insetos inteiros.

Isso também é permitido em frutas desidratadas, geleias de frutas, farinhas, café moído, biscoitos, produtos de panificação, chás, temperos, entre outros produtos de mercado. Diante disso, algumas dúvidas e questões que estão sendo levantadas:

- Será que essa nossa alimentação atual, com maior quantidade de alimentos industrializados, não pode ser a causa dessa epidemia de alergias alimentares? A explicação científica seria a ingestão de fragmentos de insetos, que possuem uma porção proteica elevada e que essa porção poderia desencadear processos alérgicos aleatórios, por ativar imunoglobulinas endógenas.

Enquanto novas pesquisas estão sendo feitas, nosso papel é de incentivar o consumo de alimentos preparados em casa. Faça seu molho de tomate, tenha seus temperos/ervas frescos em casa, priorize o consumo de raízes (inhame, aipim, batata doce, batata inglesa às massas e outros produtos refinados), prefira frutas frescas às frutas desidratadas, faça chás com ervas colhidas da sua horta. Além de diminuir consumo de aditivos, conservantes, acidulantes, corantes e sódio, você também diminui as chances de comer outros fragmentos indesejáveis, que possivelmente você nem sabia que era permitido, certo?

 

Exemplos de limites de tolerância para matérias estranhas, exceto ácaros, por grupos de alimentos
clique para ampliar!

tabela

 

avatar ariane 2

 

Ariane Serpa – nutricionista

Sem Comentários

Sem Comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar esta notícia.

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *