Pronto-socorro do Hospital e Maternidade de Brusque está fechado por tempo indeterminado

Atendimento foi suspenso por causa de falta de médicos, segundo a instituição

IMG_1206
-
Crédito: Marcelo Reis

Quem procurou o pronto socorro do Hospital e Maternidade de Brusque (antigo Evangélico) nesta segunda-feira, 12, se deparou com um aviso de “atendimento suspenso por período indeterminado” na porta da unidade.

A assessoria de imprensa da empresa informou inicialmente que o atendimento foi suspenso apenas nesta segunda-feira pois o médico plantonista não pôde comparecer ao trabalho, e a direção não encontrou outro médico para substituí-lo.

O hospital reitera, entretanto, que o Centro Cirúrgico continua funcionando normalmente.

Um comunicado oficial enviado no fim da tarde desta segunda-feira ampliou as explicações. “Informamos que em função da falta de médicos estamos temporariamente com as atividades do pronto atendimento paralisadas”, diz a nota enviada pelo hospital.

“Ao regularizarmos a situação, estaremos divulgando a normalização dos atendimentos dos plantões”, ressalta o comunicado, que não especifica uma data para o retorno do atendimento.

O pronto atendimento clínico do hospital já havia sido paralisado entre 12 e 31 de janeiro deste ano. Na época do fechamento, mudanças internas, agravadas pela crise econômica, a elevação da inadimplência e a queda no faturamento foram os motivos alegados para a decisão.

2 Comentários

  1. Avatar
    Rafael Pereira dezembro 13, 2016

    Não tem médicos porque não tem pagamento. Impossível ler a reportagem e não me manifestar. Ninguém consegue manter-se trabalhando em um local onde não há pagamento e sequer perspectiva de receber pelo seu trabalho. O hospital deve dinheiro a maioria dos médicos da cidade e há muitos outros colegas da região. A instituição perdeu ao longo dos últimos anos a credibilidade da classe médica. Por isso é que hoje enfrenta dificuldades para encontrar profissionais dispostos a trabalharem nela. Paradoxalmente, os hospitais SUS da cidade e região, estão com suas emergências funcionando e o hospital privado tendo dificuldades para contratar médicos. No mínimo estranho.
    Fica a sugestão para que o Município Dia a Dia procure ouvir o outro lado. Que tal uma reportagem com os médicos, enfermeiros, técnicos e demais funcionários do hospital? Que tal ouvir os funcionários das duas UTIs fechadas recentemente? Que tal ouvir a empresa prestadora de serviço do PS?
    Lamentável. Só espero que a verdade transpareça.

  2. Avatar
    Funcionário Hospital Evangélico dezembro 14, 2016

    Sou funcionário do hospital e é extremamente crítica nossa situação, salários atrasados, não recebemos e não temos perspectivas em receber 13° salário, a administradora do hospital é uma incompetente e arrogante, e o clima no ambiente de trabalho está péssimo devido à todo o descrito. Cadê o sindicato que tem a obrigação de defender os funcionários? Solicito a imprensa local mais matérias e um jornalismo mais aprofundado do real problema do hospital, pois não tem como trabalhar da forma que está….Nós funcionários não temos culpa da falta de capacidade administrativa, temos nossos compromissos e precisamos de ajuda! Obs: Não me identifiquei por medo de represárias…..

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *